Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Turma General Emílio Garrastazu Médici



Turma General Emílio Garrastazu Médici
Este tipo de notícia me enche de tristeza pelo acontecido, causado por um "Dilministro" estúpido, que pede um futuro sem relação com o passado - coisa de gente imbecil, fadada a repetir erros, por não conhecê-los.

Por outro lado, feliz e orgulhoso fiquei ao ver a reação do Sr. Roberto Médici, ao se retirar discretamente da cerimônia, maculada pela infeliz presença do ministro, e mais ainda pela meritória atitude do Cel. Paulo Dartanham Amorim. Foi de uma hombridade gigantesca!

Meu pai bem me dizia que existem homens de honra caminhando neste país, basta procurá-los nas fileiras do exército e nas instituições que honram o comportamento digno de homem.

Hoje estas duas personalidades me deixam orgulhoso de ser militar da reserva e, acima de tudo, de perseverar num comportamento semelhante, educando meus filhos da mesma maneira que meu pai me educou.

Presto continência a ambos aqui.


JORNAL INCONFIDÊNCIA | 26 DEZEMBRO 2010
Fonte: mídia sem máscara



A fim de esclarecer fatos acontecidos em solenidades militares relativos a essa Turma, vamos apresentar, em ordem cronológica, a verdade histórica, desde a escolha do Patrono na Escola Preparatória de Cadetes em 2006, até a entrega de espadas em 2010. Antes, em 2005, por ocasião do centenário de nascimento do general Médici, a AMAN prestou significativa homenagem a seu ex-comandante na pessoa de seu filho, o engenheiro Roberto Nogueira Médici.

A escolha do nome do Patrono de cada Turma é de exclusiva decisão de seus jovens integrantes, e permanece eternamente gravada, não só na memória, como também em placas de bronze afixadas nas pérgulas das escolas de ensino militares. E assim, procederam os hoje, aspirantes-a-oficial, escolhendo entre outros notáveis brasileiros, o nome do general Médici que os acompanhará até a eternidade. E temos a certeza que a escolha recaiu não só no general, como também no presidente. Considerando a repercussão da nota do jornalista Cláudio Humberto, publicada em 7 de dezembro nos principais jornais do país:



"Jobin critica Médici...

Nelson Jobim (Defesa) provocou mal-estar sábado, na Academia Militar das Agulhas Negras, durante a formatura da 'Turma General Emílio Garrastazu Médici', ao criticar indiretamente o patrono - elogiado antes pelo comandante do Exército pela 'honradez, dignidade e patriotismo'.

...e o filho se retira

No discurso, que aliás não estava previsto, Jobim deixou claro que não aprovou a escolha do patrono, dizendo que o Exército 'deve esquecer o passado'. Os generais nem o aplaudiram. E o convidado Roberto Médici, filho do ex-presidente, desceu do palanque e foi embora".

Este Editor, a fim de esclarecer o realmente acontecido, houve por bem entrevistar o engenheiro Roberto Médici e o coronel Paulo Dartanham. E assim, na tarde de 8 de dezembro, no escritório de engenharia onde trabalha no centro do Rio de Janeiro, ouviu os esclarecimentos de Roberto Médici. Disse da satisfação em ser convidado para solenidades cívico-militares, nas quais seu pai é relembrado e homenageado, como recentemente na ESG - Escola Superior de Guerra - e na AMAN. Lembrou da homenagem ao centenário de nascimento do general Médici na Academia Militar e da entrega de Espadins em 2006, a essa mesma Turma. Nessa ocasião, ao chegar ao local da cerimônia, foi recebido pelo comandante do Exército, general Enzo e cumprimentou as autoridades ali presentes.

Pouco mais tarde, lamentavelmente, o ministro cometeu a indignidade de não citar o nome do Patrono da Turma ao se dirigir aos Cadetes!! Roberto Médici engoliu e se retirou após o término da solenidade, sem qualquer comentário.

Para a entrega de espadas, novamente convidado, seguiu para Resende, acompanhado do coronel da Reserva, Paulo Dartanham Marques de Amorim, seu amigo de longa data e que o acompanhara na entrega dos Espadins. O Ministro da Defesa ao ingressar no palanque, cumprimentou a todos, inclusive a ele.

No que respeita ao incidente da Academia, ele declara: "o Ministro ao falar aos aspirantes-a-oficial, iniciou seu discurso com as seguintes palavras: 'ASPIRANTES DE 2010', não citando o nome da Turma, tal como fizera por ocasião da entrega do Espadim aos mesmos alunos. Achei aquilo um desrespeito à memória de meu pai que não podia, pela segunda vez, aceitar.

Para evitar maiores constrangimentos retirei-me do palanque discretamente, pois, na qualidade de convidado especial seria inevitável, no decurso da solenidade, um constrangedor encontro pessoal com o Ministro. Ao sair do palanque pedi a um oficial (um tenente-coronel de Artilharia) que veio ao meu encontro que me localizasse o Coronel Paulo Dartanham, que se encontrava em outro local, e não no palanque das autoridades, pois minha intenção era incontinente retornar ao Rio de Janeiro".

Não citando o nome do Patrono e principal homenageado; referindo-se aos Aspirantes-a-Oficial como "Aspirantes" - será que pensou estar na Escola Naval?; e dando "filosóficos conselhos" aos militares sobre o passado e o futuro, externando, pois, de forma implícita ou indireta, o seu desagrado pela escolha da denominação, constrangendo, assim, não apenas a Roberto Médici, mas a todos ali presentes, em particular aos militares. Foi a gota d'água!

Retornou ao Rio e não foi procurado por qualquer autoridade militar do Exército, o que lamentamos.

Dia 12, por telefone, entrevistamos o Coronel Paulo Dartanham que confirmou o ocorrido e ainda disse de sua demissão de professor de História Militar da ECEME (ocorrida no dia 09 de dezembro), conforme carta transcrita abaixo e que, pela 3ª vez acompanhava o Dr Roberto Médici, 3º sargento Pontoneiro da Reserva.

Por que este detalhe? Quando jovem, em Porto Alegre, Roberto Médici se apresentou para prestação do Serviço Militar no CPOR/Porto Alegre, tendo sido mandado assentar praça no 6º Batalhão de Engenharia de Combate (era estudante universitário de Engenharia), onde fez os cursos de formação de cabo e de sargento, dando baixa como 3º sargento. Cito esta peculiaridade, para que o leitor tenha idéia de sua integridade moral. Ainda em Porto Alegre, foi professor titular no Curso de Engenharia da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Hoje é membro do Instituto Geográfico e Histórico Militar e aos 77 anos ainda trabalha em uma empresa de engenharia (se ele fosse o Lulinha...).

Posteriormente, circularam inúmeras mensagens na internet, das quais destacamos a enviada pelo coronel Hiram.

NELSON JOBIM E A TURMA GENERAL MÉDICI

Cel Hiram Reis e Silva, Porto Alegre, RS, 10 de dezembro de 2010.

"Lembrando que nós não construímos o futuro pensando no passado; e não nos preparamos para o futuro com as mesmas estruturas do passado". (Nelson Jobim - Ministro da Defesa)

A repercussão de meu comentário a respeito do pronunciamento de Nelson Jobim na Academia Militar de Agulhas Negras continua provocando comentários acirrados. Baseei meu artigo em e-mails recebidos de oficiais superiores e oficiais generais, além, do jornalista Cláudio Humberto. Felizmente, oportuna e educadamente o Coronel Marco Antonio do Estado-Maior de Defesa enviou-me a íntegra do discurso proferido pelo Ministro da Defesa. Como se pode observar, a frase pronunciada fora do contexto tem uma conotação bastante pejorativa e implicaria, sim, em uma censura clara e direta ao Patrono da Turma. Jobim foi muito hábil, ardiloso e disfarçou, camuflou a polêmica afirmação no corpo do discurso, a frase foi trabalhada, arquitetada e colocada de maneira a deixar uma sutil mensagem somente aos bons entendedores. Só aqueles que sabem como trabalham as mentes dos "companheiros" conseguiram notar que o Ministro fazia "uma clara censura à escolha do General Médici como Patrono".

Em nome do princípio democrático de permitir que se estabeleça o contraditório, reconhecendo que as fontes usadas informaram apenas uma frase fora de contexto e sujeita a diversas interpretações, e em nome da verdade, publico o e-mail recebido e o controvertido discurso do Ministro.

- E-mail do Cel Marco Antonio de Freitas Coutinho do Estado-Maior de Defesa

Prezado Cel Hiram,

Pelo bem da verdade dos fatos, distorcidos por um artigo do "jornalista" Cláudio Humberto, encaminho o discurso proferido pelo Ministro Jobim aos Aspirantes da Turma General Emílio Garrastazu Médici. Creio que devemos ser mais cuidadosos com informações deste tipo, principalmente de fontes de tão baixa credibilidade. Não farei qualquer comentário sobre o que disse o Ministro, pedindo apenas sua avaliação, e se julgado conveniente, divulgando o anexo em sua lista de e-mail.

Forte abraço.

É de se lamentar a atitude desse coronel do ministério da Defesa, tentando defender uma posição indefensável. Seria mais decente ficar calado. Ou teria recebido ordem para assim proceder? E agora, como vai encarar os seus companheiros de turma? Estará no quadro de acesso para o generalato?

Seu Ministro não citou o nome da Turma General Médici pela segunda vez e ao final não recebeu qualquer aplauso, tendo se retirado da solenidade com o rabo entre as pernas. Esta apresentação teve por finalidade o desagravo da Turma general Emílio Garrastazu Médici, do seu filho, Roberto Nogueira Médici e de todos os militares da Ativa e da Reserva das Forças Armadas que não podem permitir tamanha agressão por parte desse elemento que não representa e não conhece a verdadeira História Militar e do Brasil.

E eis o Canto X de "Os Lusíadas", de Camões, com a célebre reposta do grande General Aníbal ao filósofo grego Formião:

"De Formião, filósofo elegante,

Vereis como Aníbal escarnecia

Quando das artes bélicas

Diante dele,

Com larga voz, tratava e lia:

A disciplina militar prestante

Não se aprende, senhor, na fantasia:

Sonhando, imaginando ou estudando,

Senão vendo, tratando e pelejando".

"ESQUECER TAMBÉM É TRAIR!"







Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 2010

Prezados companheiros.

Não sou e nunca fui indisciplinado, atestado pelo fato das inúmeras ordens e medalhas que recebi ao longo de quase cinqüenta anos de serviço na ativa, como designado para o serviço ativo e como prestador de tarefas por tempo certo.

Sou Comendador da Ordem do Mérito Militar do Brasil e de Portugal além das demais ordens nacionais, civis e militares.

Encontro-me em perfeitas condições físicas e mentais atestado por minuciosa inspeção de saúde recente para renovação de contrato para continuar nas funções de Instrutor de História Militar na ECEME.

Fui recentemente elogiado pelo chefe que mandou me dispensar e que me conhece desde o tempo que ele era cadete e eu subordinado do pai dele, o Corajoso e Digno Cel Cav SILVEIRA, comandante do antigo R Rec Mec de Campinho. Proposto para recondução na ECEME recebi, com muito orgulho, o conceito do seu atual Cmt, Gen Bda CAMPOS.

Acompanhei pela terceira vez o Dr Roberto Médici, 3º Sgt Pontoneiro da Reserva, à AMAN, em homengens prestadas ao General Médici, meu Comandante naquela gloriosa Academia.


Pela 2ª vez, testemunhei o Senhor Ministro da Defesa descaracterizar a Turma Gen Médici com o nome escolhido por seus integrantes, há cinco anos, desde a EPCEx (Escola Preparatória de Cadetes do Exército).

Retirei-me do local com discrição e modéstia para não conspurcar aquela sagrada solenidade de iniciação daqueles jovens na difícil profissão das armas. Acompanhei o irresoluto filho ofendido, pai de uma família que carrega a saga do nome Médici e tem sofrido inúmeras injustiças desde o afastamento do Gen Médici da Presidência.

Não me arrependo. Faria novamente. Continuo tendo coragem e vergonha na cara, atributos tão faltos nos dias que correm.

Agradeço aos inúmeros apoios que recebi informando que esta página está virada na minha vida.

"O último dia da carreira não é o último dia da vida. Antecede o primeiro dia de uma nova experiência".

Já estou vivendo essa nova vida. Muito obrigado.

Cel Cav Paulo Dartanham Marques de Amorim - pdart.rj@gmail.com

NR: Quem dispensou o Cel Dartanhan foi o general-de-Exército Rui Monarca da Silveira, chefe do DECEX - Departamento de Educação e Cultura do Exército -, ao qual a ECEME, Escola de Comando do Estado Maior é subordinada. Mas teria sido ele? Ou teria recebido ordem do Comandante do Exército, por determinação vingativa do Ministro da Defesa? Seria importante esse esclarecimento.


Nenhum comentário: