Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Benício del Toro: um ator certo no lugar errado. Às vezes é bom estudar tanto o papel qto o terreno que se pisa...




Imperdível a entrevista que a apresentadora e jornalista de origem cubana Marlen Gonzalez fez com o ator Benicio del Toro no programa Primer Plano, do canal “41 Noticias”, de Miami. Benicio encarna, como se sabe, Che Guevara no filme Che, de Steven Soderbergh. A fita canta as glórias do Porco Fedorento. Marlen soma os dons do pensamento aos evidentes dotes da ventura. O homem começa "toro" e termina novilho. “Ah, mas ele é só um ator”. Errado! Esse rapaz andou cantando as glórias de Guevara mundo afora, com aquela frivolidade bem típica de certo tipo “engajado”.

Marlen dá início à entrevista indagando por que escolher Miami para lançar o filme, justamente uma cidade onde vivem tantos cubanos, vítimas do regime. “É uma provocação?” Toro balbucia uma negativa, um tanto apatetado. Marlen pergunta se uma fita exibindo o lado bom de Hitler não ofenderia 15 milhões de judeus e a memória de 6 milhões de vítimas. Assustado, ele diz que não crê que Guevara tenha feito campo de concentração. Pois é. Falta de informação, Toro. Vá estudar! O Porco criou o primeiro campo de trabalhos forçados da América Latina. Ela não deixa a peteca cair: “Estamos falando de assassinatos. Não é igualmente assassino quem mata um, cem, cem mil...” Toro, tadinho, tenta ainda uma saída: comparou Che a um general num campo de guerra...

Marlen lembra as opiniões favoráveis que Toro deu sobre Che e indaga se ela sabia que, à frente da prisão de La Cabaña, o dito revolucionário mandou fuzilar mais de 400 prisioneiros. E o que diz o valente? “Sabia. Muitos dos que foram fuzilados eram terroristas...” Não, atalha Marlen: “Noventa por cento eram presos de consciência. [morreram] Simplesmente por discordar do sistema nascente, por pensar diferente”. E ele: “Ah, não sabia disso”... E assim vai.

No arremate, Marlen lembra uma frase de Che: “A ação mais positiva e forte, independentemente de qualquer ideologia, é um tiro bem dado, no momento certo, em quem merece”. E presenteia o pobre Toro — àquela altura, só um bezerro gritando ‘mamãe’ — com o livro Guevara: Misionero de la Violencia, do historiador cubano e ex-preso político Pedro Corzo.

4 comentários:

Azo disse...

Fazer isso com ator é fácil. Mas se fosse fazer essa entrevistinha com perguntas estudadas durante meses a fio diretamente para o Che, a história ia ser um pouco diferente... Ia ficar caladinha, que nem todos que tentaram ficaram, na época em que tentaram.

Vejamos como deveria ter sido a entrevista desse ATOR, CAPITALISTA, se ele não estivesse confuso:

1) Por que Miami para estrear esse filme, onde vivem tantos cubanos vítimas de uma ou outra forma, de um sistema que está implantado em Cuba neste momento? É uma provocação?
R: Sim. Toda a equipe de produção do filme, capitalistas como você e sua equipe de telejornalismo, resolveu que seria uma boa gerar essa polêmica para vender mais o filme. Para fazer mais dinheiro, exatamente como você pretende com essa entrevista.
2) Imagine que O filme é tendencioso e trás uma imagem positiva do Che. E você o trouxe aqui para Miami. Imagine que foi como se você tivesse tentado mostrar a parte boa de Hitler, e estaria ofendendo a 15 milhões de judeus e à memória de 100 milhões.
R: É mais ou menos por aí. É assim que se faz dinheiro no capitalismo. Gerando polêmica. Você sabe bem disso. Você é capitalista, mora aqui em Miami, só quer saber de encher o próprio burro de dinheiro, quer fazer o seu... Eu quero fazer o meu!
3) Estamos falando de assassinatos. Não é igual um assassino que mata uma pessoa ou que mata cem, que mata cem mil? Não vai receber o título de assassino da mesma forma?
R: Veja bem... Você é uma jornalista e eu um ator... Você quer vir falar de assassinato? Eu não sou um militar, não sou policial, não sou revolucionário. Eu sou um ator, CAPITALISTA COMO VOCÊ. Não sou o Che Guevara e não tenho a ideologia dele. Sou capitalista, nasci no capitalismo e me formei como ator para ganhar dinheiro. Se eu fosse querer falar de morte eu teria pego numa arma. E só pra ressaltar, de uma maneira ou de outra você tem a ver com muitos assassinatos, indiretamente. Porque os mesmos homens que estão lá fora te protegendo agora, estão assassinando pessoas que ameaçam os interesses deste nosso querido sistema capitalista!
4) A pena de morte é a ordem de fuzilar. Sei que você interpretou o papel, e isso foi um trabalho como ator para você. Mas as opiniões que você tem dado como Benício Del Toro, sua consciência, e você disse que Che Guevara foi assassinado como um criminoso de guerra, e não foi. E você sabe que quando a revolução triunfou, ele, à frente da prisão de La Cabaña, mandou fuzilar mais de 400 cubanos. Sabia disso?
R: Não sabia. Se soubesse, teria posto no filme, mas somente se as pesquisas indicassem que isso iria gerar mais lucro, porque eu sou capitalista, como você, não se esqueça!
5) Foram 90% a peso de consciência, simplesmente por discordar do novo sistema. Simplesmente por opinar diferente.
R: É... Se ferraram! Tinham que ter fugido para Miami para viver como capitalistas como nós. Capitalista vivendo no meio de comunista não dá! Mas, de onde você tirou essas informações?
6) Historicamente documentado, inclusive na Argentina. Não somente pelos cubanos.
R: Vou dar uma lida nesses documentos pra ver se faço mais um filme, pra ganhar mais um dinheiro e ficar um capitalista mais rico.
7) E porque não se mostra no filme a parte do fuzilamento? Por que...
R: Eu boto no filme o que vai dar mais dinheiro de acordo com pesquisas. Sou capitalista, não comunista. Quero saber do dinheiro, igual a você!
8) O Che disse que "a ação mais positiva e forte, independentemente de qualquer ideologia, é um tiro bem dado, no momento certo, em quem merece!".
R: E não é verdade? O que você pensa que nossos Marines aqui do nosso país capitalista fazem? Defendem os interesses do nosso país capitalista dando tiro "em quem merece".
9) Toma aqui um livrinho de presente, pra você ficar mais informado!
R: Valeu! Vou ver se faço um filme baseado nesse livro também, pra ficar mais rico ainda, porque sou capitalista igualzinho a você! Você vai lucrar bem com essa entrevistinha, hein?!

Ademar Couto disse...

Azo, ando meio fora do blog e só ví seu comentário agora. Por isso desculpas, estou mandando uma réplica agora.

Fazer isso com ator é fácil. Mas se fosse fazer essa entrevistinha com perguntas estudadas durante meses a fio diretamente para o Che, a história ia ser um pouco diferente... Ia ficar caladinha, que nem todos que tentaram ficaram, na época em que tentaram.

Bem, não acredito que a moça precisou estudar muito, pelo emnos estudar mais que você, que provavelmente não tem ido ou quem sabe, nunca foi à Cuba e crê piamente que a sua experiência suplanat a de uma pessoa que tem origem em... Cuba, é descendente dioreta de... cubanos, cubanos estes, vamos explicar melhor, PAI E MÃE, expulsos pelo regime. Ahh, expulsos não, eles fugiram para não encarar a outra opção, que é a de qualquer regime de esquerda, a morte por não concordar com o gobierno...

Não sei se você sabe, mas não se pode discordar do jeito que você pode discordar aqui, lá em Cuba... Mas esta é uma prerrogativa e privilégio do maldito regime capitalista em que você e eu estamos imersos, que, aceite ou não é baseado na livre iniciativa e no estado democrático. Igualzinho à Cuba, Albânia e China, né?

Vejamos como deveria ter sido a entrevista desse ATOR, CAPITALISTA, se ele não estivesse confuso:

Alguma bronca pelo fato de o benício ser ator? Você pretende livrar o cara de qualquer conhecimento sobre a história de Che Guevara pelo simples fato dele ser ator? O fato de ser ator o libera de pensar sobre sua personagem? Não existem obrigações morais em profissionais que optaram pela arte dramática, como se, ao entrassem no palco deixassem a consciência? Lembre-se que esta foi A DESCULPA nos julgamentos em Nuremberg.

Você utiliza o termo capitalista como se este fosse o maior mal já ocorrido na história da humanidade, fazendo contraponto ao socialismo/comunismo (que no final das contas são a mesma coisa – um sendo o meio e o outro o fim em si). Vivendo onde vivo, tendo acesso ao que tenho e utilizando o bom senso e o pragmatismo não consigo ver nenhuma chance de preferir um regime que quer me proibir até de discordar, sob pena de tomar um balaço na fuça.

1) Por que Miami para estrear esse filme, onde vivem tantos cubanos vítimas de uma ou outra forma, de um sistema que está implantado em Cuba neste momento? É uma provocação?
R: Sim. Toda a equipe de produção do filme, capitalistas como você e sua equipe de telejornalismo, resolveu que seria uma boa gerar essa polêmica para vender mais o filme. Para fazer mais dinheiro, exatamente como você pretende com essa entrevista.

A culpa é dos capitalistas, pelo menos a culpa de trazer o filme para a Flórida. Que eu saiba você está utilizando o critério engessado de que”capitalistas moram nos EUA e comunistas em cuba “, quem dera esta fosse a verdade. Pelo que vejo você é nitidamente simpatizante com a ideologia comuna e está por aqui. Junto a você eu vejo muitos que coadunam com os princípios comunistas, lutam, brigam por eles, os defendem mas estão aqui no Brasil e nos EUA também!

O mesmo não ocorre com frequencia do outro lado, lá na ilha, né? Não existe muita gente reclamando por lá do comunismo... e você imagina o porquê disso. Mas não é porque lá os discordantes do regime matam e aniquilam estas pessoas não... é porque ninguém lá tem do que reclamar! Me explique o porquê de tantos cubanos foragidos na Flórida agora.

O que mais me irrita nisso tudo é que aqui os “cumunista” tem este livre direito de abrir a boquinha e falar mal do regime que os sustenta, mas é só abrir a boca. Não abrem mão de nada que o capitalismo lhes dá e mesmo assim cospem no pratinho de Mac lanche feliz que comem.
Aliás eu não suporto Mac lanche e por isso POSSO ME RECUSAR A COMER MAC LANCHE A HORA QUE QUISER. Pena que as pessoas de cuba tenham que comer a cestinha que não dá direito a frango/carne e ovos nas refeições diárias...Talvez a gordura do Mac donald´s fosse uma opção melhor.

Ademar Couto disse...

2) Imagine que O filme é tendencioso e trás uma imagem positiva do Che. E você o trouxe aqui para Miami. Imagine que foi como se você tivesse tentado mostrar a parte boa de Hitler, e estaria ofendendo a 15 milhões de judeus e à memória de 100 milhões.
R: É mais ou menos por aí. É assim que se faz dinheiro no capitalismo. Gerando polêmica. Você sabe bem disso. Você é capitalista, mora aqui em Miami, só quer saber de encher o próprio burro de dinheiro, quer fazer o seu... Eu quero fazer o meu!

Não. Não é assim que se faz dinheiro no capitalismo.
Se faz dinheiro no capitalismo TRABALHANDO. Trabalhando e por isso, usufruindo do dinheiro conquistado.
No comunismo voce trabalha e o governo não apenas taxa voce, como no Brasil. Ele pega todo o dinheiro que voce adquiriu e o toma, com a desculpa de uma melhor distribuição da renda. Quer ver como esta renda é bem distribuída? Vai pra Cuba ou visite a China! Depois volta e me conta. Com todos os problemas do país (pelo menos por enquanto, já que um governo esquerdista tomou o poder agora) ainda há algum retorno dos impostos que praticam sobre meu salário. Retorno muito aquém do que deveria, mas aqui eu posso chiar à vontade, procurar advogado e rever algo. Vai fazer isso lá na ilha paraíso, vai!
Quanto a encher o burro de grana, sinto mas também não é verdade. Aqui eu posso também GASTAR o dinheiro que tenho. Lá, acredito que você não saiba, você trabalha de segunda feira até o meio dia de DOMINGO. Tudo bem, não teêm dinheiro mesmo pra gastar...e evitam a programação da Globo. Salutar, né?

3) Estamos falando de assassinatos. Não é igual um assassino que mata uma pessoa ou que mata cem, que mata cem mil? Não vai receber o título de assassino da mesma forma?
R: Veja bem... Você é uma jornalista e eu um ator... Você quer vir falar de assassinato? Eu não sou um militar, não sou policial, não sou revolucionário. Eu sou um ator, CAPITALISTA COMO VOCÊ. Não sou o Che Guevara e não tenho a ideologia dele. Sou capitalista, nasci no capitalismo e me formei como ator para ganhar dinheiro. Se eu fosse querer falar de morte eu teria pego numa arma. E só pra ressaltar, de uma maneira ou de outra você tem a ver com muitos assassinatos, indiretamente. Porque os mesmos homens que estão lá fora te protegendo agora, estão assassinando pessoas que ameaçam os interesses deste nosso querido sistema capitalista!

Falta conhecimento de causa para você falar de assissinato? Faltaria a um jornalista? A um ator também? Precisa ser policial? Que eu saiba um policial tem a função de proteger. Atirar em defesa própria não é, de maneira nenhuma assassinato. Se você não consegue distinguir esta diferença, me admiro muito de ter chegado até aqui. Conheço poucas pessoas mais habilitadas em falar de morte como policiais ou a classe médica que trabalha em emergência, principalmente emergência pediátrica, mas chamar os caras de assassinos é uma conclusão estúpida, me desculpe.
Nunca chame um soldado de assassino. Deixe de ser ignorante e desrespeitoso com um profissional que defende seu país. Você ainda tem a chance de sair do país. Os cubanos não. Tire seu visto e vá para cuba.

Ademar Couto disse...

Quer ver outra coisa que me irrita? Ratos que se escondem atrás de uma ideologia para matar. Che foi um deles. E nossa classe atual de polítiocos petistas também.
Sério?

Dilma russef e o prefeito de BH, Fernando pímentel eram do comando de libertação nacional e assassinavam e roubavam bancos.

Paulo Vanuchi(secretário de ”direitos humanos” do min. da justiça), José dirceu, aloysio nunes foram da ação libertadora nacional, e fizeram assaltos a banco, sequestros e guerrilha.


4) A pena de morte é a ordem de fuzilar. Sei que você interpretou o papel, e isso foi um trabalho como ator para você. Mas as opiniões que você tem dado como Benício Del Toro, sua consciência, e você disse que Che Guevara foi assassinado como um criminoso de guerra, e não foi. E você sabe que quando a revolução triunfou, ele, à frente da prisão de La Cabaña, mandou fuzilar mais de 400 cubanos. Sabia disso?
R: Não sabia. Se soubesse, teria posto no filme, mas somente se as pesquisas indicassem que isso iria gerar mais lucro, porque eu sou capitalista, como você, não se esqueça!

Não quero me tornar repetitivo. Esta sua conclusão não vai te ajudar em nada a não ser a te levar a lugar nenhum.

5) Foram 90% a peso de consciência, simplesmente por discordar do novo sistema. Simplesmente por opinar diferente.
R: É... Se ferraram! Tinham que ter fugido para Miami para viver como capitalistas como nós. Capitalista vivendo no meio de comunista não dá! Mas, de onde você tirou essas informações?

Capitalista no meio de comunista não dá! Esta foi a sua única assertiva correta até agora, parabéns!
Capitalista ou qualquer discordante em meio do regime totalitário comunista não pode, pois morre! Toma chumbo! Perde a família e o direito de bolsa alimentação, vide atletas do pan americano.
Pra sua sorte você e de qualquer comunista de cursinho pré vestibular ou de diretório universitário podem viver livremente num cenário capitalista, pois aqui existe democracia. Mais o lula ainda vai tentar mudar isso, não se preocupe.

6) Historicamente documentado, inclusive na Argentina. Não somente pelos cubanos.
R: Vou dar uma lida nesses documentos pra ver se faço mais um filme, pra ganhar mais um dinheiro e ficar um capitalista mais rico.

Não sei se adianta ler não. Tem que ler e refletir sobre os fatos.
7) E porque não se mostra no filme a parte do fuzilamento? Por que...
R: Eu boto no filme o que vai dar mais dinheiro de acordo com pesquisas. Sou capitalista, não comunista. Quero saber do dinheiro, igual a você!

Procure a resposta acima. De novo.

8) O Che disse que "a ação mais positiva e forte, independentemente de qualquer ideologia, é um tiro bem dado, no momento certo, em quem merece!".
R: E não é verdade? O que você pensa que nossos Marines aqui do nosso país capitalista fazem? Defendem os interesses do nosso país capitalista dando tiro "em quem merece".

Os marines estão sujeitos a tribunais militares e civis. O che e o Fidel são deuses que não podem ser desafiados ou contrariados ao matarem famílias inteiras, escondidos sob a ideologia”revolucionária”. Eles e os nossos “ministros e deputados ex terroristas”.

9) Toma aqui um livrinho de presente, pra você ficar mais informado!
R: Valeu! Vou ver se faço um filme baseado nesse livro também, pra ficar mais rico ainda, porque sou capitalista igualzinho a você! Você vai lucrar bem com essa entrevistinha, hein?!

Já que a resposta é sempre a mesma, vou ser repetitivo desta última vez, pois pode ser que você ainda não tenha entendido o que escreví acima.

Você tem a opção de sair de qualquer país capitalista pelo aeroporto, numa cabine refrigerada e com serviço de bordo. Os cubanos não tem esta chance.

Se for, depois me conta, tá?