Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A INVEJA É UMA M...

"Israel gera inveja"

Quanto aos lamentáveis episódios que todos temos lido e assistido diariamente na imprensa, após muita reflexão e, creio eu, isenta análise, já que não sou judeu ou palestino, e até hoje jamais tive oportunidade de entrar em uma sinagoga ou Mesquita, concluí terem sua ocorrência por culpa do povo judeu. Sejamos frios e desapaixonados, e a razão brotará conforme se segue:

1) Como um povo pode ter ficado séculos sem pátria, espalhado pelo mundo, e sempre permanecer unido como uma só família sem jamais perder o laço com suas tradições, suas crenças e sua força de trabalho e não pagar por isso?

2) Como esse povo, após ter sido perseguido e covardemente massacrado pelo nazismo enquanto boa parte dos governos de então a tudo assistia sem nada fazer, pode ter retornado à sua terra e erguido, praticamente na areia, uma nação economicamente forte, com universidades de excelência, tecnologia de ponta e agricultura altamente desenvolvida, e não pagar por isso?

3) Como um povo, que livre da opressão nazista e com seu país reconhecido pela comunidade internacional, ao invés de perseguir clandestinamente àqueles que os assassinaram aos milhões, e em ações de guerrilha os exterminar um a um preferem, por meio de uma organização legal, os localizar e os conduzir aos tribunais para um julgamento justo e dentro da lei, e não pagar por isso?

4) Como é que um povo, num mundo belicoso como o nosso, se acha no direito de jamais ter tomado a iniciativa de um ataque àqueles que têm por regra sua destruição do mapa, e não pagar por isso?

5) Por fim, como é que um povo que tanto sofrimento passou, e tantas conquistas logrou exclusivamente pelo seu trabalho, pode ter o desplante de mostrar ao mundo o que ele se nega a ver: que é um povo pacifista. Tem que pagar por isto!
Israel ataca desproporcionalmente os palestinos, matando crianças e mulheres nas zonas de conflito, diz a imprensa, mas acontece que não há judeus que se prestem ao "nobre" serviço do homem-bomba. Estes entram calmamente em supermercados, danceterias, parques de diversão etc, e se explodem em nome de um inexistente deus, despedaçando mulheres, crianças e idosos em total estado de despreocupação, sem qualquer chance de defesa, crentes na segurança de sua permanência em zona desmilitarizada. Contudo, tal área não é respeitada pelos integrantes do Hamas. Mas a culpa deve ser de Israel.

Pelo que se tem visto e lido, os bunker's do Hamas covardemente se fixaram em escolas, próximos de hospitais, creches ou outras edificações cujo ataque gerará grande repercussão negativa. Entretanto, cientes de sua ocorrência e utilização, a população deveria e poderia evitar suas proximidades, oportunidade que não é dada aos freqüentadores dos supermercados, danceterias, restaurantes e tranqüilos locais públicos em Israel. Israel perturba grande parte do mundo. É recente como país. É rico, é desenvolvido. Montou poderio bélico defensivo sem comprometer o social. Isto, permitindo-me utilizar do termo comum, gera inveja. Excessos sempre ocorrerão nas guerras, que é um absurdo por si só. Mas paciência tem limite. Tudo já foi tentado, e infelizmente nada deu certo. Rezemos para que tudo acabe o mais rápido possível, e que nada mais de tão trágico volte a acontecer.

Nenhum comentário: